Um passo atrás para outros adiante

cielo-Osvaldo F.-Contrapé4

Cielo terá na sua recuperação o próximo desafio da carreira (crédito: Osvaldo F. – Contrapé)

César Cielo está fora do Mundial de Kazan. Certamente uma decepção para muitos e, além disso, para ele mesmo que se despede da Rússia sem uma única medalha e com um sexto lugar na final dos 50m borboleta, prova em que ele tem dois títulos mundiais seguidos. Por pouco, não ficou de fora da semifinal. Fez apenas o 14º tempo entre os 16 classificados, resultado muito aquém da expectativa.

A lesão que o obrigou a deixar o torneio é comum e começou ainda no seu período de preparação, na Holanda. Cielo deixou clara sua insatisfação com a preparação e com seu rendimento. Ele sabe que poderia ter sido melhor. “Meu anjinho da guarda está de parabéns pelo dia de hoje, estou brincando com fogo”, chegou a brincar.

Mas não dava para forçar. Foi algo necessário. A ordem é dar um passo atrás, esperar um pouco para realizar o devido tratamento para se recuperar e volta com o que tem de melhor. Estrutura ele terá para isso.

Afinal, os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro se aproximam. Falta apenas um ano até lá e muita coisa pode acontecer nestes meses que antecedem os Jogos.

Este período é mais do que suficiente para Cielo se recuperar de uma lesão que não é grave. É hora de ter a cabeça no lugar e não tirarmos conclusões precipitadas.

Querer encontrar motivos para sua lesão, agora, é forçar a barra. A preparação foi boa e feita em consenso com todos os profissionais da equipe particular do nadador do Minas. Podia acontecer com qualquer um, é algo corriqueiro, mas que veio na hora errada.

Cielo, certamente, deve estar pensando no que poderia ter feito de diferente para evitar o incidente. Agora é tarde demais para voltar no tempo e lamentar. É hora de olhar para frente.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Superliga com poucas novidades e a mesma promessa de equilíbrio

moc1

 MOC surpreendeu favorito Taubaté na estreia e mostra que pode incomodar times de maior investimento (crédito: Rafinha – Funvic Taubaté)

A Superliga 2015-2016 já começou e a promessa, como acontece em todos os anos, é de equilíbrio. Trata-se de um dos torneios mais competitivos do mundo e não é por menos. Enquanto alguns clubes entram com maior poder aquisitivo e elencos cheio de estrelas, outros lutam para apenas participar e brigar por algo como um playoff. Esta diferença dificilmente será diminuída em um futuro breve.

Para este ano, principalmente no formato masculino, vejo a distância de nível técnico entre as equipes, menor. Os times médios se reforçaram bem e darão muito trabalho. Mais zebras podem aparecer e é difícil cravar um G-8. Da quinta a oitava posição, temos aí cinco times, como Canoas, Voleisul, Bento Vôlei, Maringá e Montes Claros) com condições bem parecidas.

Entre os favoritos, o Sada Cruzeiro se mantém na prateleira de cima. Para esta temporada, vejo o time celeste com menos candidatos a incomodá-lo, ao contrário dos últimos anos, quanto três ou quatro começavam a Superliga como adversários em potencial. Isso não quer dizer, nem de longe, que o elenco de Marcelo Mendez será campeão. Taubaté e Campinas são fortes e podem muito bem incomodar. Mas vejo o quadro menos complicado para o Cruzeiro nesta temporada, é só uma opinião neste primeiro momento. O Sesi não está forte como antes e o Taubaté parece ter maiores chances de brigar pelo topo. Campinas também chega forte, mas acredito que ainda está atrás dos mineiros.

No feminino, o quadro é praticamente idêntico ao da última temporada. Rexona e Vôlei Nestlé na frente das demais, com Praia, Minas e Sesi um patamar abaixo. As que restam, com o Pinheiros em uma condição mais favorável, brigarão pelo que for possível.

Acredito que não vai demorar para o calendário receber várias reclamações. As primeiras já apareceram, já que o Taubaté jogou sexta a final da Supercopa e neste domingo, já estreou na Superliga. Desnecessário, poderia ser evitado. Jogos em sequência acontecerão e vão gerar críticas pra cima da CBV, podem esperar.

Para este ano, a entidade teve a boa vontade de custear parte da logística dos clubes. Em troca, poderá explorar comercialmente, no masculino, espaços na quadra. Uma pequena evolução dentre as várias que já poderiam ser feitas pela CBV, que recebe milhões dos patrocinadores a cada temporada.

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Minas cai de pé após vice no Campeonato Mineiro masculino de vôlei

vice estadual

O Minas Tênis Clube deu mais uma prova de que o sucesso não depende de estrelas. A coletividade fala mais alto, principalmente quando se tem um técnico capacitado para fazer o time rodar.

Assim como na última temporada, sob o comando de Nery Tambeiro, quando chegou à semifinal da Superliga, o Minas promete ir bem nesta temporada. A primeira mostra veio na final do Mineiro, contra o Sada Cruzeiro, no último sábado. Ao contrário dos últimos cinco anos, quando as finais entre os rivais terminavam com vitória sem grandes dificuldades do time celeste, em 2015 foi diferente. E como!

O hexacampeonato cruzeirense veio, mas no sufoco, depois de uma verdadeira batalha no ginásio do Riacho. Depois de vencer o primeiro set, atormentando a
defesa azul, o Minas tomou a virada, buscou o empate e chegou a ficar perto do título, deixando torcida e elenco celestes preocupados com o que estava por vir.

Por muito pouco o jejum sem vencer um Estadual, desde 2007, não foi quebrado. Mesmo no início de temporada, com algumas mudanças no elenco, o Minas mostra um time competitivo, de muito volume de jogo. O estudo de Nery sobre o adversário pode ser o segredo para o bom desempenho.

Boas marcações, obediência tática e muita luta podem levar o Minas para o top 4 da Superliga. Claro que um time da tradição do Minas almeja o título, mas diante de elencos com investimento tão superior, uma semifinal novamente no Nacional estaria de bom tamanho. E creio que isso é muito possível. Por mais que os jogadores tenham todos os seus méritos, Nery mostra ser diferenciado, conseguindo montar um elenco coeso e consistente sem grandes estrelas, sem salários altos, sem chamar muito atenção. O dedo do treinador está muito presente no que o Minas tem apresentado nas duas últimas temporadas.

O ponta cubano Raidel, que chegou agora, me parece ser mais eficiente que João Rafael e Samuel, que se foram. Everaldo mostra boa sintonia com o oposto cubano Escobar, um monstro nas viradas de bola. Pétrus e Flávio são jovens centrais, cheios de potencial, com boa capacidade de evolução. Na mão de Nery, podem crescer bastante.

Canuto é um exímio passador. Para fechar, Thiago Vanole mostra ser um oitavo jogador importante. O ponta entrou muito bem contra Sada Cruzeiro, na final e no último jogo da fase de classificação e contra Montes Claros, na semifinal. Com ele, Nery ganha mais uma boa opção para a entrada de rede. Vanole deve ganhar mais tempo de quadra e já mostrou que pode crescer bastante. “O Nery coloca para jogar quem está melhor. O importante é estar preparado”, comenta o jogador.

São José, Taubaté e Campinas (e por que não o Sada Cruzeiro) que se cuidem. O Minas chega para brigar forte nesta temporada, sem alarde e comendo pelas beiradas, como a tradição mineira bem manda.

Publicado em Uncategorized | 1 Comentário

Arbitragem ficou em xeque no clássico entre MOC e Sada Cruzeiro

contra moc-alexander sezko7

 Apesar de acreditar que não houve interferência no resultado final, delegado da partida acha que árbitro poderia ter sido mais enérgico na parte disciplinar  (crédito: Alexander Sezko)

Montes Claros Vôlei e Sada Cruzeiro se enfrentaram no último sábado, pelo Campeonato Mineiro de vôlei masculino, em jogo importante para a tabela de classificação. O MOC, que jogava em casa, tinha apenas dois pontos a menos que o Cruzeiro, em segundo.

O equilíbrio e a tensão foram dignos de um grande confronto, mas parte da emoção veio pela atuação da arbitragem de Ademir Nogueira, que deixou muita gente incomodada. Principalmente, pelo lado do time do Norte de Minas.

No tie-break, o técnico Marcelinho Ramos, do MOC, reclamou muito e recebeu um cartão vermelho quando seu time ia para o saque e o placar apontava 4 a 4. A vitória azul deixou o Pequi Atômico enfurecido, principalmente por considerar que houve erros de interpretação.

“Aconteceram algumas falhas, mas nada que desse margem para reclamações exacerbadas, como se viu. Foi um jogo de uma dificuldade de condução muito grande, com algumas dúvidas de bolas tocadas no bloqueio e marcações dentro e fora”, detalha Alair Rodrigues, delegado do jogo.

Inconformada, a diretoria do MOC irá enviar à Federação Mineira de Vôlei (FMV) um protesto oficial contra a atuação da arbitragem, além de um vídeo com reprise do jogo, focando nas falhas que o clube acha que foram cometidas pela arbitragem. Até o momento, nada foi recebido pela federação. “Na parte disciplinar, acho que o Ademir poderia ter sido mais enérgico, mas foi uma opção dele, que foi até seu limite. Os dois times se descontrolaram e acho que não teríamos garantias de uma condução melhor se fosse um árbitro internacional. O Ademir apita jogos há mais de 20 anos e faz parte do quadro da Superliga”, afirma Alair.

Apesar da vitória, Marcelo Mendez, técnico do Sada Cruzeiro, reconheceu que o árbitro não foi bem.

“Não é comum ver um árbitro abaixar muito a cabeça. Isto não dá segurança aos atletas, gera reclamação. Foi fácil perceber que ele não tinha experiência”, relata.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Sem complô: arbitragem brasileira erra por falta de estrutura, profissionalização e capacidade

Renato Pizzuto

Escalação de Luiz Flávio de Oliveira (SP) para apitar Corinthians e Sport foi apenas um dos erros da Comissão de Arbitragem (crédito: Renato Pizzuto)

Quando os erros de arbitragem se destacam mais do que deveriam, é porque há algo errado. E esta rotina insiste em aparecer no cenário do futebol brasileiro, ano após ano. É sabido que o nível técnico de quem comanda as partidas, é sofrível. E não falta time que se sente prejudicado.

A falta de profissionalização contribui, em grande parte para isso, uma vez que não existe remuneração adequada, estrutura, investimento e preparação para quem entra em campo com uma importância similar à dos jogadores. Qualquer deslize pode ser fatal. E eles estão aparecendo além da conta e gerando controvérsias de vários lados. O pior de tudo é a desconfiança que aparece, fazendo muitos acreditarem em esquemas de manipulação. Deixo esse discurso para os torcedores e mais do que palavras são necessárias para se provar qualquer tipo de roubalheira.

Em momentos decisivos do Campeonato Brasileiro, não tarda para que os erros comecem a aparecer, beneficiando uns e prejudicando tantos outros. A bola da vez, coincidência ou não, é o Corinthians, que tem sido favorecido nas últimas rodadas.

O time paulista não teve um pênalti marcado contra sua meta diante do São Paulo e viu o Avaí ter um gol legal anulado no último domingo. Contra o Sport, achei pênalti do defensor pernambucano, para não falar que o time é beneficiado em todos os momentos.

Atlético, Flamengo e São Paulo são apenas alguns dos times que reclamam da arbitragem. O Atlético, que perdeu a liderança para o Corinthians na última rodada, não teve um pênalti marcado a seu favor contra o Grêmio e viu o gol da derrota contra a Chapecoense nascer de um lance irregular. Na minha visão, os erros acontecem contra praticamente todos os times do campeonato.

Não quero acreditar que exista um complô. O que vejo é a falta de capacidade dos árbitros, que são ruins e tem a preparação deficiente contribuindo para erros sequenciais. Em boa parte dos lances, eles estão mal posicionados e não mostram a confiança necessária para uma marcação que deveria ser mais efetiva.

Clubes que se sentem prejudicados devem protestar e protocolar reclamações na Comissão de Arbitragem, órgão responsável pelas escalas e preparação dos árbitros. Algo deve ser feito por eles, que acabam sendo lesados por terceiros, vendo resultados positivos ficarem pelo caminho por falhas clamorosas. A Comissão, para piorar, força a barra em algumas decisões, como ao escalar um árbitro paulista para apitar Corinthians e Sport. Desnecessário, imprudente e irresponsável.

Passou da hora. Não é segredo para ninguém que uma mudança drástica na arbitragem é necessária e este caminho passa pela profissionalização. Para isso, acredito que é preciso romper a estrutura no formato da Comissão de Arbitragem. E isso depende da CBF. Enquanto os atuais diretores por lá permanecerem, vamos continuar convivendo com escândalos dentro de campo. Lances que são considerados fáceis se transformam em uma bola de neve de erros.

Até uma realidade diferente aparecer, vamos continuar convivendo com erros, denúncias de favorecimento, perda contínua de credibilidade e o pior: resultados das partidas sendo definidos por quem deveria ter um papel que passa longe de ser o protagonista.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Tiro no pé da Comissão de Arbitragem

Luiz-Flávio-de-Oliveira

Luiz Flávio poderia ter sido poupado pelos responsáveis pelo apito brasileiro. 
Crédito: Porthus Júnior/Agência RBS

Queria somente entender o motivo que fez a Comissão de Arbitragem a escalar um árbitro de São Paulo para comandar o jogo entre Corinthians e Sport. O bom momento que vive os dois times, fazendo o jogo ganhar ainda mais importância, é apenas um detalhe.

Tal fato não poderia ter acontecido em nenhuma situação. Temos boas, mas não muitas, opções de árbitros com condições de atuar em duelo deste nível.

Antes mesma da bola rolar, as reclamações já apareceram. A exposição feita pela Comissão foi desnecessária, um tiro no pé, que dificilmente poderá ser justificado.

A pressão sobre Luiz Flávio de Oliveira foi inevitável. Erros para qualquer um dos lados gerariam afirmações que poderiam até não ter cabimento mas que não deixariam de passar pela cabeça de quem acompanha futebol. De novo, repito. Qual a necessidade?

O saldo do jogo foi um pênalti no final do jogo, que foi marcado a favor do Corinthians, que vê, novamente, seu nome ligado à ajuda da arbitragem para vencer partidas. A Comissão poderia ter poupado os dois times e o árbitro, que certamente não seria perdoado em caso de erros crassos. A ‘geladeira’, que poderia vir, seria culpa do árbitro, pelos erros cometidos?

Ou da Comissão que jogou uma bomba no colo de Luiz Flávio em momento inoportuno? Situação que poderia ser evitada e que foi forçada pelos responsáveis, por motivos que não entram na minha cabeça.

O pensamento de que a sujeira ‘come solta’ no futebol brasileiro tem, em decisões como esta, parte de seus fundamentos.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Se os resultados do Pan tivessem acontecido em Londres…

Confira qual seria o saldo dos brasileiros que foram ouro no Pan, caso seus rendimentos tivessem se repetido em Londres. (dados feito até a quinta-feira, 23
de julho)

Vela – Saldo: dois ouros

Ouro com Ricardo Winicki, o Bimba, na categoria RS masculina. Bimba, 7º do mundo, venceu David Mier y Teran, do México (49 do ranking mundial) e o argentino Mariano Reutemann (25 do ranking mundial) – não representativo em termos olímpicos

Ouro com Patrícia Freitas, na categoria RS feminina. Patrícia, 11ª do ranking mundial, venceu Demita Vega, do México (23 do ranking mundial) e Marion Lepert,
dos EUA (44 do ranking mundial)

Tênis de mesa masculino. Saldo: um ouro
Tricampeão pan-americano por equipes com Hugo Calderano, Thiago Monteiro e Gustavo Tsuboi. Na final, venceu Paraguai. Sem representatividade em termos
olímpicos

Patinição Artística. Saldo: um ouro

Ouro Marcel Stümer, tetracampeão do Pan-Americano. Modalidade não faz parte dos Jogos Olímpicos de Verão

Judô. Saldo: cinco ouros

David Moura, 12º do ranking mundial. Venceu equatoriano Freddy Figueroa, 38º do ranking. Sem representatividade em termos olímpicos

Érika Miranda, 4ª do ranking mundial. Superou a canadense Ecaterina Guica, 30º do ranking. Sem representatividade em termos olímpicos

Tiago Camilo, 20º do ranking mundial. Venceu o cubano Asley Gonzalez, 9º do ranking. Existe representatividade pelo fato do cubano estar no top 10

Charles Chibana, 14º do ranking mundial. Venceu canadense Antoine Bouchard, 16º do ranking mundial. Sem representatividade em termos olímpicos.

Luciano Corrêa, 15º do ranking mundial. Superou canadense Marc Deschenes, 50º do ranking. Sem representatividade em termos olímpicos.

Atletismo. Saldo: um ouro

Juliana dos Santos venceu a prova dos 5.000, com tempo de 15min45s97. Ela ficaria em 33º lugar em Londres 2012. Campeã na última edição foi a etíope Meseret
Defar, com 15min04s25. Sem representatividade em termos olímpicos.

Ginástica. Saldo: um ouro

Arthur Zanetti fez 15,725 em Toronto. Este resultado o deixaria em quarto lugar em Londres, atrás dele mesmo, que foi campeão na oportunidade com uma nota
15.900. Atrás, vieram o chinês Chen Yibing, com 15.800 e o italiano Matteo Morandi, com 15.733.

Tiro Esportivo. Saldo: três ouros

Critérios de pontuação mudaram nos últimos anos. Mas, o rendimento de Wu em Toronto o deixaria entre os três melhores em nove das 12 competições do ciclo
olímpico já realizadas até então.

Luta olímpica. Saldo: um ouro

Na categoria até 58kg, Joice Silva, 5ª do ranking mundial, teve um resultado histórico, colocando o Brasil no lugar mais alto do pódio, na sua modalidade, entre mulheres, pela primeira vez. No entanto, se formos analisar as principais adversárias do mundo, boa parte delas da Europa e Leste Europeu, seu resultado teve pouco representantividade em termos olímpicos. Venceu na final a cubana Yakelin Estornell, que não está entre as top 10 da modalidade. Sem representatividade em termos olímpicos.

Pentathlo moderno. Saldo: um ouro

Yane Marques foi ouro em Toronto com 1348 pts. Em Londres, este resultado lhe daria uma prata com 1335 pontos, superando sua marca, que a fez alcançar um
inédito pódio olímpico na última edição, em 2012. Nesta oportunidade, ela fez 5.340 pontos. A mudança no critério, a partir de 2013, fez os resultados de
2012 serem divididos por quatro na comparação com o quadro atual.

Levantamento de peso. Saldo: um ouro

Fernando Reis levou o título inédito, em Toronto, na categoria superior aos 105 kg, depois de levantar 427kg. Em Londres, ele ficou na 12ª posição. Apesar dos resultados exatos não estarem especificados no site dos Jogos de 2012, Fernando teria um longo caminho pela frente para ser medalhista de ouro em Olimpíada, tendo como base o recorde mundial. Em 2000, em Sydney 2000, o iraniano Hossein Rezazadeh levantou 472,5kg e bateu um novo recorde Olímpico e mundial, que dura até hoje na categoria. Sem representatividade em termos olímpicos.

Canoagem. Saldo: três ouros

Em sua estreia em Pan-Americanos, a brasileira Ana Sátila garantiu a primeira medalha de ouro da história do país no esporte, com o tempo de 113s91. Se o tempo fosse feito em Londres, ela ficaria na sétima posição, o que poderia ser considerado um bom resultado para uma atleta que estaria fazendo sua estreia em Jogos Olímpicos.

Já Isaquias Queiroz faria história. O resultado que lhe deu o ouro em Toronto também o colocaria no lugar mais alto do pódio em Londres, na categoria c1-200m, com o tempo de 39s991, superando o campeão olímpico da Ucrânia Yuriy Cheban, que marcou 42s291.
Na categoria C1-1000m, ele fez o tempo de 4min07s866, resultado que lhe deixaria longe da final, que conta com a presença dos oito melhores colocados.

Natação. Saldo: 10 medalhas.

A modalidade retorna como a que deu maior número de medalhas ao Brasil. No entanto, o nível dos próprios adversários no Pan era outro. Os EUA, por exemplo, não foram com o que tinham de melhor. Na Olimpíada, o quadro será bastante diferente.

Etiene Medeiros. O tempo de 59s61, nos 100m costas, que lhe deu o Ouro em Toronto, a deixaria em oitavo lugar, indo para a final.

Léo de Deus – campeão do Pan nos 200m borboleta com o tempo de 1m55s01. Em Londres, ficaria em quinto lugar.

Felipe França – tempo de 59s21 nos 100m peito no Pan o deixaria com o bronze em Londres.

Thiago Simon – tempo de 2m09s82 nos 200m peito no Pan o deixaria fora da final, que conta com oito atletas

Brandonn Almeida – tempo nos 400m medley de 4min14s47 o deixaria em 10º em Londres.

João de Lucca – tempo de 1min46s42 nos 200m livre o deixaria em quinto lugar.

4x200m livre masculino – tempo de 7min11s15 deixaria a equipe em sétimo lugar.

4x100m livre masculino – tempo de 3min13s66 deixaria a equipe em sétimo lugar.

4x100m medley masculino – tempo de 3min32s68 deixaria o Brasil na quinta posição em Londres.

Henrique Rodrigues – 200m medley – tempo de 1min57s06 lhe daria um quinto lugar em Londres.

Ginástica Rítmica. Saldo: Dois ouros.

Por equipe – nota de 15.433 e 15.000 no cinco fitas. Critérios diferentes não permitem comparação.

Caratê. Saldo: dois ouros.
Douglas Brose, atual líder do ranking mundial, confirmou seu favoritismo, na categoria até 60kg ao vencer o venezuelano Jovanni Martinez. No entanto, o adversário batido é apenas o 32º do ranking mundial.

No feminino, Valeria Kumizaki, sétima do ranking, foi vitoriosa na final da categoria até 55 kg, ao derrotar na luta final a canadense Kate Campbel, número 23 do mundo.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário