Liga brasileira de futebol americano chega ao país para fazer modalidade atingir outro patamar

 

godinho

Evolução em Minas Gerais pode fazer Estado recebe equipe no ano que vem (crédito: João Godinho)

A realidade norte-americana de dar uma bola oval a uma criança nos primeiros anos de vida pode até não acontecer no Brasil nos próximos anos, mas a sociedade do esporte brasileiro pode se preparar, porque o futebol americano chegará com ainda mais força no país a partir de novembro. O empresário norte-americano Bruce Daniels pode ser o pioneiro pela maior evolução do esporte no Brasil nos próximos anos. Foi através de sua ideia e força de vontade que um grupo de investidores do país do Tio Sam decidiu apostar em colocar a modalidade em outro patamar em terras brasileiras com a criação da Liga Brasileira de Futebol Americano (LBFA). Atualmente, o Brasil já conta com dois torneios de nível nacional, mas que não possuem a estrutura e organização que estão por vir.

As novidades mostram que a proposta chega realmente para consolidar o esporte por aqui, mesmo que o retorno seja esperado para alguns anos a frente. “O mais
importante será aumentar a qualidade do jogo com a presença de atletas dos EUA. Isso vai ajudar muito na evolução do jogo dos brasileiros. Desta forma, será mais fácil despertar a atenção de quem ainda não é fã do esporte”, comenta Bruce Daniels.

Ao lados dos norte-americanos, especialistas na modalidade, estarão vários brasileiros, que foram selecionados pelo bom desempenho realizado pelas suas equipes durante as ligas brasileiras existentes há alguns anos. “Eles conhecem o esporte como ninguém. Eles crescem com aquela filosofia, a musculatura e os sentidos já trabalham a favor do esporte. Isso faz deles peças importantes para a evolução do esporte aqui no Brasil. O fato dessa convivência desde o berço com o esporte será um diferencial na liga. Conviver, treinar e jogar ao lado de um norte-americano, faz de você um expert”, garante Adam Araújo, um dos seis mineiros selecionados para integrar uma equipe da LFA. Ele defenderá o Dínamo.

Serão seis novos times – Missão Paraná (PR), Rio Atlântico (RJ), Tropa (SC), Bravo Oeste (MT), Dínamo (SP) e Bandeira Paulista (SP). Além de Adam, outro mineiro garantido é Ítalo Mingoni, que jogará pelo Tropa.

A meta é, em 10 anos, conseguir atingir um nível atualmente impensado para muitos. “A Liga chega depois de dois anos de intenso planejamento. Nós começamos o desenvolvimento no final de 2011, por isso estamos muito entusiasmados com o primeiro jogo, marcado para o dia 9 de novembro. Nosso objetivo é que o futebol americano seja o segundo esporte do Brasil dentro de 10 anos. Teremos muito trabalho, mas acreditamos que podemos chegar lá”, projeta Bruce.

A evolução do futebol nos EUA serve de motivação e exemplo para o norte-americano. “A liga de futebol nos EUA têm maior média de público que o Campeonato Brasileiro. Por lá, o ‘soccer’ já virou um sucesso e muitos duvidavam disso. Alguns aspectos ajudaram muito, como a presença de estrangeiros, a transmissão em uma TV de bom alcance e a gestão profissional”, indica Bruce. Por mais que seja difícil imaginar na conquista dos objetivos, que hoje parecem distantes, é bom não duvidar.

Organização será o diferencial

A organização mostra que o nível de comprometimento será alto, a começar pelos salários que serão pagos a todos os envolvidos. “Essa é a primeira liga profissional de futebol americano no Brasil, que tem uma estrutura própria e remunera os funcionários e os atletas, além de dar condições de moradia e alimentação para todos. É um projeto que já está sendo planejado há um bom tempo, procurando captação, deixando o amadorismo de lado”, revela o jogador Ítalo Mingoni, um dos que ganhará oportunidade no novo torneio.

A surpresa de ser escolhido foi tão grande quanto a chegada de um campeonato de maior nível no Brasil, um país que ainda tem preconceito com o esporte e que mostra boa parte do público sem grande conhecimento sobre as regras. “Ainda é difícil acreditar que um norte-americano tenha enxergado a oportunidade de investir em um esporte americano no país do futebol. Para ser sincero, a ficha ainda não caiu”, admite Adam, que luta para quebrar alguns paradigmas.

“O brasileiro é um povo preconceituoso, cheio de ‘achismos’. A maior barreira é o preconceito e imaginar que trata-se de um jogo violento, onde a intenção é
machucar o adversário e pensar que não existe estratégia. O futebol americano não é um jogo feito para ‘trogloditas’, onde não existe respeito entre as equipes”, protesta.

O retorno do futebol americano nos Estados Unidos sempre foi uma esperança para que o Brasil visse o potencial do esporte. “Eu acreditava que, em algum momento, apareceria um apaixonado pelo esporte e com uma visão de mercado que perceberia que é um esporte rentável a se investir. O futebol americano rende muitas cifras nos EUA. Se os investidores aplicarem a mesma receita aqui, será um sucesso”, indica Mingoni.

A LBFA já confirmou parceria com o canal Sportv, que irá transmitir o torneio ao vivo. Materiais educativos sobre o esporte serão apresentados durante os jogos para atrair, ainda mais, a atenção do público. Outras ações de marketing estão planejadas para conseguir atingir patamares mais elevados a cada semana.

Minas Gerais pode receber equipe

Apesar de todo o esforço das equipes mineiras, os times do Estado ainda não possuem os mesmo resultados dos principais times do Brasil. No entanto, o Estado reserva uma grande quantidade de fãs, além de considerável aumento no número de pessoas que praticam e criaram gosto pela modalidade. Desta forma, Minas Gerais pode se tornar, em breve, um dos alvos da LBFA, que pretende criar novas equipes.”Ainda estamos finalizando os planos de expansão para 2014, mas a nossa intenção é ter duas novas equipes por ano. Belo Horizonte é um mercado fantástico e tem um forte conjunto de jogadores de futebol. É definitivamente um mercado a ser estudado para o próximo ano”, confirma Bruce.

Outros fatores são apontados como positivos pelo atleta Ítalo Mingoni, que atuará na nova liga. “Com certeza, temos ótimos atletas em Minas Gerais, além de uma excelente posição geográfica. Tudo é favorável”, mostra.

Adam Araújo, outro jogador de Minas, também acredita na forte presença mineira e passam um recado aos investidores. “Espero que eles fiquem atentos, pois brevemente receberemos a notícia de que Minas Gerais terá uma franquia da LFA. É bom ficar de olho aberto, pois o esporte crescerá mais do muitos podem imaginar”, revela.

Anúncios

Sobre Daniel Ottoni

Desde 2011, repórter de esportes especializados do jornal O Tempo, de Belo Horizonte. Fale comigo no d.ottoni@gmail.com
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s