Flamengo bate Uberlândia e é campeão do NBB em dia inspirado de Caio Torres

Caio-Torres-do-Flamengo-640x426

Caio Torres, por pouco, não ficou de fora da final do NBB5. (crédito: João Pires-LNB)

Pela segunda vez em sua história, o Flamengo é campeão do Novo Basquete Brasil (NBB), o maior campeonato do país da modalidade. Jogando dentro de casa, ontem, com a Arena HSBC lotada de rubro-negros, o time carioca venceu o Unitri-Universo, de Uberlândia por 77 a 70 e comemorou o título ao lado dos mais de 15.000 representantes, que empurraram o time a todo momento. 

Para os mineiros, ficou o gosto amargo da derrota aliado à satisfação de ter feito um bom papel no campeonato. O objetivo inicial de ficar entre os quatro primeiros foi cumprido e a meta de chegar no topo do campeonato não foi alcançada por pouco.

A vantagem de jogar a final em casa foi conquistada pelo Flamengo graças à boa campanha da fase de classificação, quando o time venceu 30 dos 34 jogos. Nos três duelos diante dos uberlandenses, os cariocas mostraram sua superioridade em todas as oportunidades. “É um momento marcante na minha carreira. Fizemos um trabalho duro durante toda a temporada e fomos recompensados. A torcida lotou o ginásio, nos apoiou do começo ao fim e todos estão de parabéns”, agradeceu o pivô Olivinha.

Seu companheiro de posição no time, Caio Torres, foi um dos destaques da partida, comandando o garrafão, principalmente na parte ofensiva. Torres foi parado poucas vezes pela defesa mineira, que teve muitas dificuldades em neutralizar as jogadas próximas à cesta. O jogador, por pouco, não ficou de fora da final, disputada em partida única, critério que chegou a ser bastante criticado pelo técnico Hélio Rubens, do Uberlândia, nos dias que antecederam a partida. O pivô foi o cestinha do jogo com 23 pontos.

Na semifinal contra o São José-Unimed-SP, Caio Torres se envolveu em confusão após o jogo e chegou a ser suspenso. A decisão foi cancelada quando o Flamengo entrou com recurso, alegando que o jogador havia tentado separar a briga em seu início, além de apresentar bons antecedentes do pivô.

O que falou para o Flamengo no primeiro tempo foi um melhor aproveitamento nas bolas de três. Em 13 tentativas, o time não acertou uma sequer. Mas a eficiência dentro do garrafão compensava. O Uberlândia incomodava com bolas de três, principalmente com Gruber, que marcou 18 dos primeiros 22 pontos do time do Triângulo. O primeiro tempo terminou com vitória mineira por apenas um ponto, 34 a 33. Gruber fez 20 pontos em toda a partida, mostrando uma queda de rendimento no segundo tempo. O jogador teve que ficar de fora em boa parte do segundo tempo devido às três faltas cometidas no início da partida.

No segundo tempo, entretanto, a regularidade do Flamengo foi premiada. As bolas de três do Flamengo começaram a cair nos terceiro e quarto períodos e colaborou para que uma maior vantagem fosse aberta. O Uberlândia seguia com dificuldades na defesa e o Flamengo cresceu ainda mais com o apoio da torcida.

“Jogamos muito no ritmo deles. Não tivemos posse de bola, algo que aconteceu durante toda a nossa temporada e que nos ajudou muito. Nossas bolas não caíram e o Caio Torres esteve inspirado. Fazer 70 pontos é algo muito baixo para uma final”, lamentou o armador Helinho, do Uberlândia, ao final do jogo.

Anúncios

Sobre Daniel Ottoni

Desde 2011, repórter de esportes especializados do jornal O Tempo, de Belo Horizonte. Fale comigo no d.ottoni@gmail.com
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s