Time de beisebol e softbol de BH comemora evolução e mira maiores resultados

leo

Projeto que começou como recreação já conta com equipe de alto rendimento (crédito: Léo Fontes)

Se esportes com algum apoio no Brasil, já sofrem, o que dizer daqueles que ainda começam ganhar mais praticantes, mas que ainda não possuem tradição? O beisebol chegou ao Brasil por volta de 1910, mas somente agora começa a ganhar mais espaço, principalmente depois da campanha feita pela seleção brasileira na Copa do Mundo que aconteceu recentemente no Japão. Apesar das derrotas nos três jogos para Japão, Cuba e China, o retorno foi além do esperado.

“O Brasil chegou lá com o status de saco de pancada. Mas os resultados mostraram que a seleção merece respeito. Endurecemos o jogo contra o Japão, atual campeão mundial, que teve que suar muito para sair de campo com uma vitória. Só de estar lá foi uma grande conquista”, comenta Carlos Eduardo Aoki, coordenador técnico do Beagá Beisebol, time que faz parte de da Associação de Beisebol e Softbol de Belo Horizonte (ABSBH). A entidade foi criada em 2005 por Emi Kyouho e Katsuyoshi Aoki, sogro de Carlos Eduardo imigrante japonês, que desembarcou em São Paulo antes de fixar residência em Belo Horizonte.

As dificuldades para manter e tentar levar o trabalho para frente foram inúmeras e muitas ainda permanecem. “O campo que usamos para os treinamentos precisam ser adaptados, já que não existe um local específico para o beisebol. Usamos um campo de futebol e fazemos as improvisações necessárias”, comenta Carlos Eduardo.

O que antes era uma atividade recreativa hoje já possui objetivos mais consistentes, por meio de uma equipe de rendimento, que treina em um campo do bairro Serrano aos domingos. Enquanto os iniciantes têm o sábado livre para se desenvolver, o dia seguinte é reservado para quem pensa um pouco mais alto. “Em 2013, teremos quatro torneios. O principal deles, acontece em São Gotardo (MG), e será de nível nacional”, conta Carlos Eduardo. Ao todo, 40 pessoas estão divididas entre as duas equipes.

Em 2010, quando o projeto chegou ao seu quinto ano de existência, as ambições mudaram. O que era algo essencialmente recreativo, em busca de divulgação ganhou aspirações profissionais, com a meta de resultados expressivos para um time recém-criado. “Participávamos de algumas competições e ficávamos sempre em último. Queríamos conquistar vitórias, para motivar os jogadores e tentar atrais o empresariado”, comenta Miriam Aoki, presidente da associação.

Com a ajuda de profissionais do curso de Educação Física, incluindo Carlos Eduardo, o time ganhou pessoas com a capacidade de melhorar o nível técnico. “O Mateus Vasconcelos, técnico dos iniciantes, participou de uma clínica no centro de treinamento da seleção brasileiro. Várias atividades foram feitas durante esse período que contou, ainda, com a participação de técnicos da Major League Beiseball, principal campeonato da modalidade no mundo. Foi uma experiência muito enriquecedora”, garante Miriam.

Evolução vem com viagens

Mesmo ainda no começo de sua trajetória no beisebol, o time de iniciantes terá uma bela oportunidade no mês de novembro, quando irão para Ibiúma (SP) para participar de uma competição no centro de treinamento da seleção brasileira.

No ano passado, na primeira participação do time de rendimento em campeonato de nível nacional, o time ficou com o 15º lugar dentre 20 participantes. “Vários times jogam esse torneio há quatro anos e nunca conseguiram uma única vitória. Na nossa estreia, vencemos por uma boa diferença de pontos, o que foi uma surpresa para nós”, destaca Miriam. O treinamento da equipe é puxado, com 4h30min de duração.

Apesar de todos os esforços, a Associação ainda conta com o apoio de doações para ter todos os equipamentos para os treinos. Tacos, camisas e bolas costumam vir da Confederação Brasileira de Beisebol ou por meio de amigos que viajam para o exterior. “Os produtos são todos importantes e dependemos de que vai para fora do país. A política alfandegária do Brasil encarece muitos os custos”, lamenta Miriam. Além disso, uma mensalidade de R$ 25 é cobrada dos integrantes das equipes para manutenção administrativa da entidade e compra de utensílios e outros materiais.

Apesar de vários convites já recebidos, a ABSBH ainda não consegue custear todas as despesas para viagens. “Quando os torneios são em Minas, temos a ajuda de algumas empresas que nos apoiam. Mas quando é fora, não podemos participar, porque os custos são altos e nossas condições ainda são limitadas. Tivemos que recusas convites para participar de torneios em Curitiba, Natal, Recife e Buenos Aires”, lamenta Miriam.

Time feminino é sonho

A evolução do time da ABSBH já é uma grande felicidade para a presidente Miriam Aoki, reeleita recentemente. Há três anos no comando da entidade, ela já vislumbra com um novo sonho: o de montar um time feminino. “O beisebol é taxado como esporte para homens, quase que exclusivamente. Mas temos algumas representantes, que podem ser o início de uma equipe só de meninas”, comenta Miriam. Dos cerca de 40 atletas da equipe, seis são membros fixos do sexo feminino. “Apesar de toda a diferença técnica e física, as nossas garotas mostram muita disposição para treinar no mesmo nível. Elas tomam bolada e ficam roxas, mas saem felizes”, mostra a presidente.

A associação tem planos para criar duas categorias para crianças entre 8 a 13 anos. “Já tínhamos tudo acertado, mas a criação de uma equipe feminina fez esta ideia ser interrompida momentaneamente”, esclarece.

Diferenças entre beisebol e softbol

Beisebol

Campo maior
Arremesso por cima
As bolas de beisebol tem entre 22,86cm e 23,49cm de circunferência e pesam de 141,74g a 148,82g
Jogo com 9 períodos
Os bastões de beisebol tem no máximo 1 metro de comprimento
No beisebol a distância entre bases é de 27,43 metros.
O campo de beisebol deve ter 68,58 m de raio.

Softbol

Campo menor
Arremesso por baixo
Indicado para quem está começando e pensa em passar, depois, para o beisebol
As bolas de softbol tem entre 30,2cm e 30,8cm de circunferência e pesam de 178,0g e 194,8g.
Jogo com 7 períodos
Os bastões de softbol não podem ser maiores que 80 centímetros.
O campo de softbol deve ter 60,96 m de raio.
No Softbol a distância entre bases é de 14,2 metros.

Números

40 integrantes fazem parte das equipes de beisebol e softbol
6 meninas são membros fixos
2005 ano de inauguração da associação
3 jogos fez o Brasil no Mundial com três derrotas
15 posição do time na sua estreia em torneio nacional, com 20 equipes

Frases

“Temos três grandes dificuldades. Encontrar campos adequados para os treinos, ter uma melhor condição financeira e adquirir materiais. Ainda temos que tirar dinheiro do nosso próprio bolso para manter a associação e buscar as desejadas evoluções que certamente virão” – Miriam Aoki, presidente da ABSBH.

“As meninas treinam junto dos homens e não reclamam. Elas mostram muita força de vontade. Tomam boladas,ficam roxas, mas saem felizes da vida” – Miriam Aoki,
presidente da ABSBH.

“Minas Gerais possui times em algumas cidades, como São Gotardo, Ipatinga, Uberlândia e Carmo do Paranaíba. Já os enfrentamos algumas vezes e espero que todos possam participar, em breve, juntos de uma competição nacional” – Carlos Eduardo Aoki, coordenador tecnico da ABSBH

“Ficamos muito felizes com o Brasil no Mundial. Só de ter ido foi uma vitória. O Brasil foi como saco de pancada e voltou com grande respeito dos adversários” – Carlos Eduardo Aoki, coordenador tecnico da ABSBH

Anúncios

Sobre Daniel Ottoni

Desde 2011, repórter de esportes especializados do jornal O Tempo, de Belo Horizonte. Fale comigo no d.ottoni@gmail.com
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s