Kartistas de plantão fazem a festa no final de ano

Imagem

A chuva costumeira do último mês do ano não desanima as confraternizações (crédito: Douglas Magno)

 

 

O povo mineiro segue à risca a expressão de que “todo brasileiro é apaixonado por carro”. Para colocar à prova essa paixão, muitos, que têm a velocidade no sangue, decidem aproveitar o mês de dezembro para não fechar o ano em branco, sem fazer um “racha” com os amigos. As disputas são ferrenhas nos kartódromos da região metropolitana de Belo Horizonte, em encontros que são levados a sério e garantem premiações para os melhores colocados. 

Quem comemora são os proprietários das pistas, que garantem ter o movimento aumentado muito nesta época do ano. 

“Temos uma melhora de 20% a 30% para as confraternizações de final de ano, que são frequentes. Recebemos um público variado, desde empresas até grupo de amigos”, mostra Émerson Silveira, proprietário do kartódromo de Betim, que funciona desde 1994 na cidade. 

Seu principal concorrente é o kartódromo de Vespasiano, que existe desde 2010 e também fica com as pistas cheias na reta final do ano. 

“A maioria dos horários está esgotado. Nessa época, o aumento é considerável, cerca de 30%”, aponta o gerente Humberto Alves. 

A auxiliar de escritório Letícia Silva fez sua estreia nas pistas na última semana, graças a uma iniciativa da empresa do esposo. 

“Foi minha primeira vez andando de kart e admito que tive um pouco de medo. Tinha um pessoal mais experiente correndo e realmente não tinha ideia de como seria. Fiquei em último, um ótimo resultado para quem ainda não está acostumado. Pretendo voltar mais vezes”, brinca a iniciante corredora. 

Início. Foi através da empresa onde trabalha que o engenheiro civil Jarbas Dias começou há andar de kart, há quatro anos. O grupo formado para aproximar os funcionários foi tendo baixas, que prontamente foram substituídas por pessoas de fora. 

“A coisa tomou uma proporção grande. Hoje temos 40 inscritos e mais um bom número de interessados em uma fila de espera. A partir do ano que vem, faremos dois campeonatos, ao invés de apenas um”, conta Jarbas. 

Os Amigos da Velocidade, como o grupo se autodenomina, tem até site com calendário e fotos dos encontros, que também serão duplos, a partir de 2013. No meio e final do ano, um churrasco para interagir participantes e familiares acontece, com direito às lembranças de cada etapa do campeonato particular. 

“Como em toda pelada de futebol entre amigos, aqui também temos alguns pernas de pau. Mas para todos saírem vitoriosos, fazemos uma disputa entre equipes, misturando os favoritos com os menos privilegiados. Mas o que vale mesmo é a reunião e a alegria entre a gente”, alegra-se Dias. 

 
Grupo mostra organização
 
O grupo de Jarbas Dias mostra uma organização ímpar. Com quatro patrocinadores, todos acabam sendo beneficiados, tendo à disposição um site para navegar e acompanhar a classificação, confraternizações com sorteio de prêmios – como luvas e outros acessórios – e troféus para os cinco primeiros colocados de cada prova e do campeonato. 

“A organização gera fidelidade. Ainda mais quando tanta coisa boa acontece dentro do grupo, tendo um caixa saudável. Nosso grupo é referência no kartódromo, nossa produção é muito bem feita”. 

Para 2013, o grupo já espera ansiosamente pelas novidades. Além de um segundo torneio, que terá a participação de muitos que já disputam a competição inicial, todos os 40 inscritos poderão levar para casa uma recordação de primeira.

“Colocaremos câmeras nos capacetes de todos os pilotos e eles poderão, depois, ver de casa a corrida que fizeram. Todo esse conteúdo também vai para o site, para o público sentir um pouco da emoção que vivenciamos na pista”, comenta.

Para Jarbas, o povo mineiro adora a velocidade, tendo o kart como possibilidade mais próxima de dar algumas aceleradas e deixar os amigos comendo poeira. 

“Nosso grupo é muito competitivo, tem muita gente que faz bonito, faz questão de ir bem e tentar uma vitória. Sempre que vou ao kartódromo, lá está cheio. Minas Gerais tem muita gente que gosta de carros, mas também quer ter essa chance de pilotar. Neste final de ano, para nós, o encontro vale como qualquer outro, uma vez que será mais uma etapa do nosso campeonato”, salienta.  

 
Chuva não acanha os amadores
 
Dezembro é conhecido, principalmente em Minas Gerais, como a época das chuvas. Um fator que poderia desanimar os kartistas de plantão, mas que, na verdade, serve como motivação. “Muita gente até prefere andar na chuva. Dizem que dá mais emoção”, comenta Humberto Alves, do kartódromo de Vespasiano. No entanto, quando a coisa aperta, Humberto orienta que a turma espere um pouco. “A água acaba entrando no motor”.
Em Betim, os pilotos recebem dicas para a situação. “Passamos para o pessoal alguns macetes, principalmente no que se refere ao traçado. As poças costumam aparecer e é preciso cuidado e atenção para não perder tempo na pista”, ensina Émerson Silveira. A velocidade pode ser de até 90km/h. 
Anúncios

Sobre Daniel Ottoni

Desde 2011, repórter de esportes especializados do jornal O Tempo, de Belo Horizonte. Fale comigo no d.ottoni@gmail.com
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s